Avançar para o conteúdo principal

Ciência Descentralizada (DeSci)

  • Uma alternativa global e aberta ao atual sistema científico.
  • Tecnologia que permite aos cientistas angariar fundos, realizar experiências, partilhar dados, distribuir conhecimento e muito mais.
  • Baseia-se no movimento da ciência aberta.

O que é a ciência descentralizada (DeSci)?

A ciência descentralizada (DeSci) é um movimento que tem como objetivo desenvolver uma infraestrutura pública para financiar, criar, rever, creditar, armazenar e disseminar o conhecimento científico de forma justa e equitativa usando a pilha Web3.

O DeSci pretende criar um ecossistema em que os cientistas sejam incentivados a partilhar abertamente a sua investigação e a receber crédito pelo seu trabalho, permitindo simultaneamente que qualquer um aceda e contribua de forma simples para a investigação. O DeSci parte do princípio de que o conhecimento científico deve ser acessível a todos e que o processo de investigação científica deve ser transparente. O DeSci está a criar um modelo de investigação científica mais descentralizado e distribuído, tornando-o mais resistente à sua censura e ao controlo das autoridades centrais. DeSci espera criar um ambiente onde ideias novas e não convencionais possam florescer, descentralizando o acesso ao financiamento, às ferramentas científicas e aos canais de comunicação.

A ciência descentralizada permite fontes de financiamento mais diversificadas (desde DAOs, doações quadráticas(opens in a new tab) a crowdfunding e outras), dados e métodos de acesso mais fáceis e incentivos à reprodutibilidade.

Juan Benet - O Movimento DeSci

Como DeSci está a melhorar a ciência

Uma lista não exaustiva dos principais problemas da ciência e da forma como a ciência descentralizada pode ajudar a resolvê-los

Ciência descentralizadaCiência tradicional
A distribuição dos fundos é determinada pelo público através de mecanismos como as doações quadráticas ou as DAO.Grupos pequenos, fechados e centralizados controlam a distribuição dos fundos.
Colaboramos com pares de todo o mundo em equipas dinâmicas.As organizações de financiamento e as instituições domésticas limitam as suas colaborações.
As decisões de financiamento são tomadas online e de forma transparente. São explorados novos mecanismos de financiamento.As decisões de financiamento são tomadas num longo período de tempo e com pouca transparência. Os mecanismos de financiamento são escassos.
A partilha de serviços laboratoriais é facilitada e mais transparente utilizando as primitivas da Web3.A partilha de recursos laboratoriais é frequentemente lenta e opaca.
Podem ser desenvolvidos novos modelos de publicação que utilizem as primitivas da Web3 para garantir a confiança, a transparência e o acesso universal.Publica através de vias estabelecidas, frequentemente reconhecidas como ineficazes, tendenciosas e exploradoras.
Pode ganhar tokens e reputação por rever um trabalho.O trabalho de revisão por pares não é remunerado, beneficiando as editoras comerciais.
O utilizador detém a propriedade intelectual (PI) que gera e distribui de acordo com condições transparentes.A sua instituição local é proprietária do PI que gera. O acesso ao PI não é transparente.
Partilha de toda a investigação, incluindo os dados de esforços mal sucedidos, através da inclusão de todas as etapas na cadeia.O preconceito de publicação significa que é mais provável que os investigadores partilhem experiências que tiveram resultados positivos.

Ethereum e DeSci

Um sistema científico descentralizado exigirá uma segurança robusta, custos monetários e de transação mínimos e um ecossistema rico para o desenvolvimento de aplicações. O Ethereum fornece tudo o que é necessário para construir uma plataforma científica descentralizada.

Casos de utilização DeSci

O DeSci está a criar o conjunto de ferramentas científicas para integrar o mundo académico da Web2 no mundo digital. Apresenta-se de seguida uma amostra de casos de utilização que a Web3 pode oferecer à comunidade científica.

Publicações

A publicação científica é notoriamente problemática porque é gerida por editoras que dependem do trabalho gratuito de cientistas, revisores e editores para gerar os artigos, mas depois cobram taxas de publicação exorbitantes. O público, que normalmente pagou indiretamente a obra e os custos de publicação através dos impostos, não pode muitas vezes aceder a essa mesma obra sem pagar novamente ao editor. As taxas totais para a publicação de artigos científicos individuais são muitas vezes de cinco dígitos ($USD), comprometendo todo o conceito de conhecimento científico como um bem público(opens in a new tab), ao mesmo tempo que gera enormes lucros para um pequeno grupo de editores.

Existem plataformas de acesso livre e aberto sob a forma de servidores de pré-impressão, como o ArXiv(opens in a new tab). No entanto, estas plataformas carecem de controlo de qualidade, mecanismos anti-sybil(opens in a new tab), e geralmente não acompanham as métricas ao nível do artigo, o que significa que normalmente só são utilizadas para divulgar trabalhos antes da sua submissão a uma editora tradicional. O SciHub também torna os artigos publicados de acesso livre, mas não legalmente, e apenas após os editores terem recebido o seu pagamento e terem enquadrado o trabalho numa legislação rigorosa de direitos de autor. Isto abre uma lacuna crítica no que respeita a documentos e dados científicos acessíveis com um mecanismo de legitimidade e um modelo de incentivos integrados. As ferramentas para construir um sistema deste género estão disponíveis na Web3.

Reprodutibilidade e replicabilidade

A reprodutibilidade e a replicabilidade são os fundamentos de uma descoberta científica de qualidade.

  • Podem ser obtidos resultados reproduzíveis múltiplas vezes pela mesma equipa, utilizando a mesma metodologia.
  • Podem ser obtidos resultados replicáveis por um grupo diferente utilizando a mesma configuração experimental.

As novas ferramentas nativas da Web3 podem garantir que a reprodutibilidade e a replicabilidade sejam a base da pesquisa. Podemos integrar a ciência de qualidade no tecido tecnológico do mundo académico. Web3 oferece a possibilidade de criar certificações para cada componente de análise: os dados brutos, o motor computacional e o resultado da aplicação. A vantagem dos sistemas de consenso é que, quando é criada uma rede de confiança para manter estes componentes, cada participante da rede pode ser responsável por replicar o cálculo e validar cada resultado.

Financiamento

O modelo padrão atual para o financiamento da ciência é que indivíduos ou grupos de cientistas apresentem pedidos escritos a uma entidade financiadora. Um pequeno painel de pessoas de confiança avalia as candidaturas e entrevista os candidatos antes de atribuir fundos a uma parte reduzida dos candidatos. Para além de criar estrangulamentos que levam, por vezes, a anos de espera entre a candidatura e a receção de uma subvenção, este modelo é conhecido por ser altamente vulnerável aos preconceitos, interesses individuais e políticas do painel de avaliação.

Os estudos demonstraram que os painéis de avaliação das subvenções não selecionam corretamente as propostas de elevada qualidade, uma vez que as mesmas propostas apresentadas a diferentes painéis têm resultados muito distintos. À medida que o financiamento se tornou mais escasso, concentrou-se num grupo mais pequeno de investigadores seniores com projectos intelectualmente mais conservadores. O efeito criou um cenário de financiamento hipercompetitivo, consolidando incentivos perversos e sufocando a inovação.

A Web3 tem o potencial de romper com este modelo de financiamento obsoleto, experimentando diferentes modelos de incentivo desenvolvidos pelas DAOs e pela Web3 em geral. Financiamento retroativo de bens públicos(opens in a new tab), financiamento quadrático(opens in a new tab), governança DAO(opens in a new tab) e estruturas de incentivo tokenizadas(opens in a new tab) são algumas das Ferramentas Web3 que podem revolucionar o financiamento da ciência.

Propriedade intelectual e desenvolvimento

A propriedade intelectual (PI) é um enorme problema na ciência tradicional: desde estar retida nas universidades ou não ser utilizada nas biotecnologias, até ser notoriamente difícil de valorizar. No entanto, a propriedade de ativos digitais (como dados ou artigos científicos) é algo que a Web3 desempenha excecionalmente bem, utilizando tokens não fungíveis (NFTs).

Da mesma forma que os NFTs podem transferir as receitas de transações futuras para o criador original, é possível estabelecer cadeias de atribuição de valor transparente para recompensar investigadores, organismos governamentais (como os DAOs) ou mesmo os participantes cujos dados são recolhidos.

IP-NFTs(opens in a new tab) também podem funcionar como uma chave para um repositório de dados descentralizado das experiências de pesquisa que estão a ser realizadas, e ligar-se à NFT e à financiarização DeFi (desde a fraccionalização a pools de empréstimos e avaliação de valor). Também permite que entidades nativamente on-chain, como DAOs como VitaDAO(opens in a new tab), conduzam pesquisas diretamente on-chain. O surgimento de tokens não transferíveis "soulbound" tokens(opens in a new tab) também pode desempenhar um papel importante no DeSci, permitindo que os indivíduos comprovem a sua experiência e as credenciais ligadas ao seu endereço Ethereum.

Armazenamento de dados, acesso e arquitetura

Os dados científicos podem tornar-se muito mais acessíveis utilizando padrões Web3 e o armazenamento distribuído permite que a investigação sobreviva a eventos catastróficos.

O ponto de partida deve ser um sistema acessível a qualquer identidade descentralizada que possua as credenciais verificáveis adequadas. Isto permite que os dados sensíveis sejam replicados de forma segura por entidades de confiança, possibilitando a redundância e a resistência à censura, a reprodução de resultados e até a capacidade de várias entidades colaborarem e acrescentarem novos dados ao conjunto existente. Métodos de computação confidenciais como compute-to-data(opens in a new tab) fornecem mecanismos de acesso alternativos à replicação de dados em bruto, criando Ambientes de Investigação de Confiança para os dados mais sensíveis. Os Ambientes de Investigação Confiáveis foram citados pelo NHS(opens in a new tab) como uma solução para o futuro em matéria de privacidade e colaboração de dados, através da criação de um ecossistema em que os investigadores podem trabalhar em segurança com dados no local, utilizando ambientes normalizados para a partilha de códigos e práticas.

As soluções flexíveis de dados Web3 suportam os cenários acima referidos e constituem a base para uma verdadeira Ciência Aberta, em que os investigadores podem criar bens públicos sem permissões de acesso ou taxas. As soluções de dados públicos da Web3, como IPFS, Arweave e Filecoin, são otimizadas para a descentralização. O dClimate, por exemplo, fornece acesso universal a dados climáticos e meteorológicos, incluindo de estações meteorológicas e modelos climáticos preditivos.

Envolva-se

Explore projetos e junte-se à comunidade DeSci.

Aceitamos sugestões para novos projetos a serem incluídos na lista - consulte a nossa política de publicação na lista para começar!

Leitura adicional

Vídeos

Esta página foi útil?

Última atualização do site: 10 de julho de 2024

Aprender

  • Centro de Aprendizagem
  • O que é o Ethereum?
  • O que é o Ether (ETH)?
  • Carteiras Ethereum
  • O que é Web3?
  • Contratos inteligentes
  • Gas fees
  • Executar um nó
  • Segurança e prevenção contra fraudes do Ethereum
  • Centro de testes
  • Glossário Ethereum
(opens in a new tab)(opens in a new tab)(opens in a new tab)
  • Quem somos
  • Recursos de marca Ethereum
  • Code of conduct
  • Empregos
  • Política de privacidade
  • Termos de Utilização
  • Política de Cookies
  • Contacto(opens in a new tab)