Ajude a atualizar esta página

🌏

Há uma nova versão desta página mas, no momento, ela está apenas em inglês. Ajude-nos a traduzir a última versão.

Nenhum bug encontrado!🐛

Por enquanto, esta página permanecerá em inglês.

📝
Os usos do Ethereum estão sempre se desenvolvendo e evoluindo. Adicione qualquer informação que você acha que tornará as coisas mais claras ou mais atualizadas. Editar página
Um logo Eth sendo exibido via holograma.

Os NFTs estão atualmente tomando o mundo da arte digital e de colecionáveis de forma avassaladora. Os artistas digitais estão vendo suas vidas mudarem graças a enormes vendas para um novo público de criptomoedas. E as celebridades estão participando, pois têm uma nova oportunidade de se conectarem a seus fãs. Mas a arte digital é apenas uma maneira de usar NFTs. Realmente eles podem ser usados para representar a propriedade de qualquer bem único, como uma ação para um item no ambiente digital ou físico.

Se Andy Warhol tivesse nascido no final dos anos 90 provavelmente teria cunhado a sopa de Campbell como NFT. É só uma questão de tempo até que Kanye promova uma rodada de Yeezys na Ethereum. E um dia, a compra de seu carro será comprovada com um NFT.

O que é um NFT?

NFTs são tokens que podemos usar para representar a propriedade de itens exclusivos. Por meio deles podemos tokenizar coisas como arte, colecionáveis e até imóveis. Eles só podem ter um proprietário oficial de cada vez e são protegidos pelo blockchain Ethereum - ninguém pode modificar o registro de propriedade ou copiar/colar um novo NFT existente.

NFT significa token não fungível. Não fungível é um termo econômico que você poderia usar para descrever coisas como seus móveis, um arquivo de música ou seu computador. Essas coisas não podem ser trocadas por outros itens porque elas possuem propriedades únicas.

Por outro lado, os itens fungíveis podem ser trocados porque o seu valor os define em vez das suas propriedades exclusivas. Por exemplo, ETH ou dólares são fungíveis porque 1 ETH/$1 USD é permutável por outro 1 ETH/$1 USD.

A Internet de ativos

Os NFTs e Ethereum resolvem alguns dos problemas que existem na Internet hoje. À medida que tudo se torna mais digital, há a necessidade de replicar as propriedades de itens físicos como escassez, singularidade e prova de propriedade. Sem mencionar que os itens digitais muitas vezes só funcionam no contexto do próprio produto. Por exemplo, você não pode revender um mp3 do iTunes que comprou, ou você não pode trocar pontos de fidelidade de uma empresa pelo crédito de outra plataforma mesmo que haja um mercado para isso.

Veja uma comparação entre a Internet de NFTs e a Internet que a maioria de nós usa hoje parece...

Uma comparação

Uma Internet NFTA Internet hoje
Os NFTs são únicos no mundo digital e não existem dois NFTs idênticos.Uma cópia de um arquivo, como um .mp3 ou .jpg, é o mesmo que o original.
Cada NFT deve ter um proprietário, que é um registro público e de fácil verificação por qualquer pessoa.Os registros de propriedade de itens digitais são armazenados em servidores controlados por instituições – você deve acreditar na palavra deles.
NFTs são compatíveis com qualquer coisa construída usando Ethereum. Um ticket NFT para um evento pode ser negociado em todos os mercados Ethereum, para um NFT completamente diferente. Você poderia trocar uma peça de arte por um ingresso!Empresas com produtos digitais devem construir sua própria infraestrutura. Por exemplo, um aplicativo que emite bilhetes digitais para eventos teria que desenvolver sua própria plataforma de troca.
Os criadores de conteúdo podem vender o seu trabalho em qualquer lugar e podem acessar um mercado global.Os criadores dependem da infraestrutura e da distribuição das plataformas que utilizam. Estes estão frequentemente sujeitos a termos de utilização e a restrições geográficas.
Os criadores podem manter direitos de propriedade sobre o seu próprio trabalho e reivindicar royalties de revenda diretamente.Plataformas como os serviços de streaming de música retêm a maioria dos lucros das vendas.
Os itens podem ser utilizados de maneiras surpreendentes. Por exemplo, você pode usar arte digital como garantia em um empréstimo descentralizado.

Exemplos de NFTs

O universo NFT é relativamente novo. Em teoria, o escopo para NFTs é qualquer coisa que seja única e que precise de propriedade comprovada. Aqui estão alguns exemplos de NFTs que existem hoje, para ajudá-lo a ter uma ideia:

exemplos da ethereum.org

Usamos NFTs para retribuir nossos colaboradores e ainda temos o nosso próprio nome de domínio NFT.

POAPs (protocolo de prova de presença)

Se você contribuir para ethereum.org, poderá reivindicar uma NFT POAP. Estes são colecionáveis que provam que você participou de um evento. Alguns encontros cripto utilizaram POAP como uma forma de ticket para seus eventos. Mais sobre contribuição.

blog ethereum.org

ethereum.eth

Este site tem um nome de domínio alternativo fornecido por NFTs, ethereum.eth. Nosso endereço .org é gerenciado centralmente por um provedor de nomes de domínio (DNS), enquanto ethereum. eth está registrado na Ethereum por meio do Serviço de Nome Ethereum (ENS). E a propriedade e gestão é nossa. Confira nosso registro ENS

Mais sobre ENS

Como funcionam os NFTs?

Os NFTs são diferentes dos tokens ERC-20, como DAI ou LINK, na medida em que cada token individual é completamente único e não é divisível. Com os NFTs, é possível atribuir ou reivindicar a propriedade de qualquer parte única de dados digitais, rastreável usando o blockchain da Ethereum como um livro público. Um NFT é criado a partir de objetos digitais como uma representação de ativos digitais ou não digitais. Por exemplo, um NFT poderia representar:

  • Arte digital:
    • GIFs
    • Colecionáveis
    • Música
    • Vídeos
  • Itens do mundo real:
    • Escrituras de um carro
    • Tickets para um evento do mundo real
    • Faturas tokenizadas
    • Documentos jurídicos
    • Assinaturas
  • E muitas outras opções!

Um NFT pode ter apenas um proprietário por vez. A propriedade é gerenciada através do único ID e metadados que nenhum outro token pode replicar. Os NFTs são criados por meio de contratos inteligentes que atribuem propriedade e gerenciam a transferibilidade do NFT. Quando alguém cria ou extrai um NFT, executa código armazenado em contratos inteligentes que estão em conformidade com diferentes padrões, como o ERC-721. Esta informação é adicionada ao blockchain no qual o NFT está sendo gerenciado. O processo de cunhagem, de um alto nível, tem os seguintes passos:

  • Criação de um novo bloco
  • Validação de informações
  • Gravação de informações no blockchain

O NFT tem algumas propriedades especiais:

  • Cada token cunhado tem um identificador exclusivo que está diretamente ligado a um endereço Ethereum.
  • Eles não estão diretamente intercambiáveis com outros tokens 1:1. Por exemplo, 1 ETH é exatamente igual a outro ETH. Este não é o caso com NFTs.
  • Cada token tem um proprietário e essa informação é facilmente verificável.
  • Eles estão localizados na Ethereum e podem ser comprados e vendidos em qualquer mercado de NFT baseado na Ethereum.

Em outras palavras, se você possui um NFT:

  • Você pode facilmente provar que o possui.
    • A prova de ter um NFT é muito semelhante à prova de que você tem ETH em sua conta.
    • Por exemplo, digamos que você compra um NFT e a propriedade do token único é transferida para sua carteira através de seu endereço público.
    • O token prova que sua cópia do arquivo digital é o original.
    • Sua chave privada é a prova de propriedade do original.
    • A chave pública do criador de conteúdo serve como um certificado de autenticidade para esse artefato digital em particular.
      • A chave pública dos criadores é essencialmente uma parte permanente da história do token. A chave pública do criador pode demonstrar que o token que você possui foi criado por um indivíduo em particular, contribuindo assim para o seu valor de mercado (vs contrafação).
    • Outra maneira de pensar em provar o seu próprio NFT é assinando mensagens para provar a sua própria chave privada por trás do endereço.
      • Como mencionado acima, sua chave privada é a prova de propriedade do original. Isto diz-nos que as chaves privadas por trás desse endereço controlam o NFT.
      • Uma mensagem assinada pode ser usada como prova de que você possui as suas chaves privadas sem revelá-las a ninguém, provando assim o seu próprio NFT!
  • Ninguém pode manipulá-lo de forma alguma.
  • Você pode vendê-lo, e em alguns casos, ele manterá os mesmos direitos de revenda do criador original.
  • Ou, você pode mantê-lo para sempre, sabendo perfeitamente que seu ativo é protegido pela sua carteira no Ethereum.

E se você criar um NFT:

  • Você pode facilmente provar ser o criador.
  • Você determina a escassez.
  • Você pode ganhar royalties toda vez que ele for vendido.
  • Você pode vendê-lo em qualquer mercado de NFT ou em um peer-to-peer. Você não está limitado a uma única plataforma e não precisa de ninguém como intermediário.

Escassez

O criador de um NFT pode decidir a escassez de seus ativos.

Por exemplo, considere um ingresso para um evento esportivo. Assim como um organizador de um evento pode escolher quantos ingressos vender, o criador de um NFT pode decidir quantas réplicas devem existir. Às vezes, trata-se de réplicas exatas, como 5.000 bilhetes de acesso geral. Por vezes, são várias que são muito semelhantes, mas cada uma é ligeiramente diferente, como um ingresso com um assento atribuído. Em outro caso, o criador pode querer criar um NFT onde apenas um é cunhado como um colecionável especial raro.

Nestes casos, cada NFT ainda terá um identificador exclusivo (como um código de barras em um "ticket" tradicional), com apenas um proprietário. A escassez pretendida do NFT importa e depende do criador deste NFT. Um criador pode pretender tornar cada NFT completamente único para criar escassez, ou ter razões para produzir vários milhares de réplicas. Lembre-se, essa informação é toda pública.

Royalties

Alguns NFTs pagarão automaticamente direitos de autor para seus criadores quando forem vendidos. Esse ainda é um conceito em desenvolvimento, mas é um dos mais poderosos. Os proprietários originais de EulerBeats originais ganham 8% de royalty toda vez que o NFT é vendido. E algumas plataformas, como Foundation e Zora, garantem royalties para seus artistas.

Isto é totalmente automático. Os criadores não precisam fazer nada para ganhar royalties conforme seus trabalhos são vendidos de pessoa para pessoa. No momento, saber se algo gera royalties é um processo muito manual e carece de precisão, e muitos criadores não recebem o que merecem. Se seu NFT tiver royalties já incorporado, você nunca deixará de ganhá-los.

Para que servem os NFTs?

Aqui estão mais informações sobre alguns dos casos de uso e visões mais avançados para NFTs no Ethereum.

Maximizando ganhos para os criadores

O maior uso de NFTs hoje é na área de conteúdo digital. Isso porque hoje essa indústria está fragmentada. Os criadores de conteúdo veem seus lucros e ganhos potenciais absorvidos por plataformas.

A publicação de um artista em uma rede social gera dinheiro para a plataforma que vende anúncios aos seguidores dos artistas. Esses artistas recebem exposição em troca, mas exposição não paga as contas.

O NFT dá lugar a uma nova economia criadora em que os criadores não entregam a propriedade do seu conteúdo às plataformas que eles usam para divulgá-lo. A propriedade está incorporada ao próprio conteúdo.

Quando vendem conteúdo, os fundos vão diretamente para eles. Se o novo proprietário vende o NFT, o criador original pode até mesmo receber royalties de maneira automática. Isso é garantido toda vez que o NFT é vendido porque o endereço do criador faz parte dos metadados do token, metadados que não podem ser modificados.

👀
Conheça, compre ou crie seus próprios colecionáveis/arte de NFT...
Conheça a arte NFT

O problema de copiar/colar

Normalmente, os Naysayers chamam a atenção para o fato de que os NFT são "pouco inteligentes", geralmente ao lado de uma imagem deles capturando uma arte de NFT. "Olha, agora tenho essa imagem de graça!", eles dizem de forma irônica.

Sim, é verdade. Mas a pesquisa de uma imagem do Guernica de Picasso faz de você o novo dono orgulhoso de uma peça de arte de vários milhões de dólares?

Em última análise, é tão valioso quanto o mercado a faz. Quanto mais um conteúdo é capturado, compartilhado e geralmente usado, mais valor ele ganha.

Possuir algo comprovadamente real sempre terá mais valor do que não.

Otimizando o potencial de jogos

O NFTs tem suscitado um grande interesse por parte dos desenvolvedores de jogos. O NFT pode fornecer registros de propriedade para itens do jogo, gerar economias no jogo e trazer uma série de benefícios aos jogadores.

Em muitos jogos normais, você pode comprar itens para usar no jogo. Mas se esse item fosse um NFT, você poderia recuperar o seu dinheiro vendendo ele quando deixasse de jogar. Você pode até obter lucro se esse item se torna mais desejável.

Para desenvolvedores de jogos, como emissores de NFT, eles poderiam ganhar royalties toda vez que um item fosse revendido no mercado aberto. Isso cria um modelo de negócios mais benéfico, no qual jogadores e desenvolvedores ganham no mercado secundário de NFT.

Isto também significa que se um jogo não é mais mantido pelos desenvolvedores, os itens que você coletou continuam sendo seus.

Em última análise, os itens que você move no jogo podem transcender os próprios jogos. Mesmo que um jogo não seja mais mantido, seus itens estarão sempre sob seu controle. Isto significa que os itens no jogo se tornam uma memória digital e têm um valor fora do jogo.

Decentraland, um jogo de realidade virtual, até mesmo permite comprar NFTs representando parcelas de terra virtuais que você pode usar conforme achar adequado.

👀
Confira os jogos da Ethereum, com tecnologia NFT...
Conheça os jogos NFT

Tornando os endereços Ethereum mais fáceis de lembrar

O Serviço de Nome Ethereum usa NFTs para fornecer o seu endereço Ethereum com um nome mais fácil de lembrar, como mywallet.eth. Isto significa que você poderia pedir a alguém para enviar a você ETHs através de mywallet.eth e não de 0x123456789......

Isso funciona de forma semelhante a um nome de domínio de site que torna um endereço IP mais simples de lembrar. E como os domínios, os nomes ENS têm valor, geralmente com base na duração e relevância. Com ENS, você não precisa de um registro de domínio para facilitar a transferência de propriedade. Em vez disso, você pode trocar seus nomes ENS em um mercado NFT.

Seu nome ENS pode:

  • Receber criptomoedas e outros NFTs.
  • Apontar para um site descentralizado, como ethereum.eth. Mais sobre como descentralizar seu site
  • Guarde quaisquer informações arbitrárias, incluindo informações de perfil, como endereços de e-mail e manipuladores do Twitter.

Itens físicos

A tokenização de itens físicos ainda não está tão desenvolvida quanto a dos itens digitais. Mas há muitos projetos que estudam a tokenização de itens imobiliários, de itens de moda exclusivos e muito mais.

Como os NFTs são essencialmente ações, um dia você pode comprar um carro ou uma casa usando ETH e receber a ação como um NFT em troca (na mesma transação). À medida que o mundo se torna cada vez mais tecnológico, não é difícil imaginar um cenário onde a sua carteira Ethereum se torne a "chave" para seu carro ou casa — sua porta sendo aberta pela prova de propriedade criptográfica.

Com ativos valiosos como carros e propriedades representáveis no Ethereum, você pode usar NFTs como garantia em empréstimos descentralizados. Isso é particularmente útil se você não tem dinheiro em espécie nem conta com uma importante quantidade de criptomoedas, mas somente itens físicos de valor. Mais sobre DeFi

NFTs e DeFi

O mundo dos NFTs e as finanças descentralizadas (DeFi) estão começando a trabalhar em conjunto de formas interessantes.

Empréstimos com NFT

Há aplicativos de DeFi que permitem que você pegue dinheiro emprestado usando garantia. Por exemplo, você dá como garantia de pagamento de empréstimo 10 ETH para que possa tomar emprestado 5.000 DAI (a stablecoin). Isso garante que o mutuante seja reembolsado. Se o mutuário não paga a DAI, a garantia é enviada para o mutuante. No entanto, nem todos têm cripto o suficiente para usar como garantia.

Os projetos estão começando a usar NFTs como garantia. Imagine que você comprou de volta um NFT raro da CryptoPunk. Ele pode valer 1.000 dólares no preço atual. Colocando isso como garantia, você pode ter acesso a um empréstimo com o mesmo conjunto de regras. Se você não pagar a DAI, seu CryptoPunk será enviado para o mutuante como garantia. Isso pode eventualmente funcionar com qualquer coisa que você tokenize como NFT.

E isso não é difícil no Ethereum, porque os ambientes (NFT e DeFi) compartilham a mesma infraestrutura.

Propriedade fracionária

Criadores de NFT também podem criar "ações" para seu NFT. Isto dá aos investidores e aos adeptos a oportunidade de terem uma parte de um NFT sem terem de comprá-lo todo. Isto cria ainda mais oportunidades tanto para os mineradores de NFT quanto para os coletores.

  • NFTs fracionados podem ser negociados em DEXs como o Uniswap, e não apenas nos mercados NFT. Isso significa mais compradores e vendedores.
  • O preço total de um NFT pode ser definido pelo preço das suas frações.
  • Você tem mais uma oportunidade de possuir e lucrar com itens de seu interesse. É mais difícil ser excluído do mercado quando se é proprietário de NFTs.

Isso ainda é experimental, mas você pode aprender mais sobre a propriedade NFT fracionária nas seguintes exchanges:

Em teoria, isso abriria a possibilidade de fazer coisas como ter parte de uma obra de Picasso, por exemplo. Você se tornaria acionista em um NFT de Picasso, o que significa que teria uma palavra a dizer em coisas como compartilhamento de receitas. É muito provável que um dia, ao ter uma fração de um NFT, você entre em uma organização autônoma descentralizada (DAO) para gerenciar esse ativo.

Estas são organizações com tecnologia Ethereum que permitem que estranhos, como acionistas globais de um ativo, coordenem de forma segura sem necessariamente ter que confiar nas outras pessoas. Isso porque nem um único centavo pode ser gasto sem aprovação do grupo.

Como dissemos, este é um espaço emergente. NFTs, DAOs, tokens fracionados estão sendo desenvolvidos em diferentes ritmos. Mas a infraestrutura de cada um deles existe e pode funcionar juntas facilmente, porque todas falam a mesma linguagem: Ethereum. Então fique atento a esta tendência.

Mais sobre DAOs

Ethereum e NFTs

Ethereum torna possível que NFTs funcionem por várias razões:

  • Histórico de transação e metadados do token são verificáveis publicamente – é simples provar o histórico de propriedade.
  • Uma vez que uma transação é confirmada, é quase impossível manipular esses dados para "roubar" a propriedade.
  • O comércio de NFTs pode acontecer peer-to-peer sem precisar de plataformas que possam assumir grandes cortes como compensação.
  • Todos os produtos Ethereum compartilham o mesmo "back-end". Em outras palavras, todos os produtos Ethereum podem facilmente entender uns aos outros – isso torna os NFTs portáteis entre produtos. É fácil comprar um NFT em um produto e vendê-lo facilmente em outro. Como criador, você pode listar seus NFTs em vários produtos ao mesmo tempo – cada produto terá as informações de propriedade mais atualizadas.
  • O Ethereum nunca fica indisponível, o que significa que seus tokens estarão sempre à sua disposição para vender.

O impacto ambiental dos NFTs

Os NFTs estão crescendo em popularidade, o que significa que também estão sujeitos a maior escrutínio – especialmente sobre a sua pegada de carbono.

Para esclarecer algumas coisas:

  • Os NFTs não estão aumentando diretamente a pegada de carbono do Ethereum.
  • A forma como o Ethereum mantém seus fundos e ativos seguros atualmente usa muita energia, mas está prestes a melhorar.
  • Uma vez melhorada, a pegada de carbono da Ethereum será 99,95% melhor, tornando-a mais eficiente em energia do que muitas indústrias existentes.

Para explicar mais, vamos ter que ser um pouco mais técnico, então paciência...

Não culpe os NFTs

Todo o ecossistema NFT funciona porque Ethereum é descentralizado e seguro.

Descentralizado significa que você e todos os demais podem verificar se são proprietários de algo. Tudo isso sem confiar ou conceder custódia a um terceiro que possa impor as próprias regras dele de maneira indiscriminada. Isso significa também que seu NFT é portátil em muitos produtos e mercados diferentes.

Seguro significa que ninguém pode copiar/colar seu NFT ou roubá-lo.

Essas qualidades do Ethereum tornam possível possuir itens únicos digitalmente e obter um preço justo para o seu conteúdo. Mas isso tem um custo. Atualmente, blockchains como Bitcoin e Ethereum fazem um uso intenso de energia, porque é necessário muita energia para preservar essas qualidades. Se fosse fácil reescrever o registro do Ethereum para roubar NFTs ou criptomoedas, o sistema colapsaria.

O trabalho de cunhar seu NFT

Quando você cunha um NFT, ocorrem algumas coisas:

  • Ele precisa ser confirmado como um ativo no blockchain.
  • O saldo da conta do proprietário deve ser atualizado para incluir esse ativo. Isto torna possível que ele seja então negociado ou verificavelmente "pertencente a alguém".
  • As transações que confirmam o dito acima precisam ser adicionadas a um bloco e "imortalizadas" na cadeia.
  • O bloco precisa ser confirmado por todos na rede como "correto". Este consenso elimina a necessidade de intermediários porque a rede concorda que seu NFT existe e pertence a você. E está em cadeia, então qualquer um pode verificar. Esta é uma das maneiras como o Ethereum ajuda os criadores da NFT a maximizar seus ganhos.

Todas essas tarefas são executadas por mineradores. E eles deixam o resto da rede saber sobre seu NFT e quem é o proprietário. Isto significa que a mineração precisa ser o suficientemente difícil, caso contrário qualquer pessoa pode apenas afirmar que possui o NFT que você acabou de cunhar e transferir de forma fraudulenta a propriedade. Existem muitos incentivos para garantir que os mineradores estejam agindo honestamente.

Mais sobre mineração

Protegendo seu NFT com mineração

A dificuldade de mineração vem do fato de que é preciso muito poder de computação para criar novos blocos na cadeia. E o mais importante: os blocos são criados consistentemente, não apenas quando são necessários. Eles são criados a cada 12 segundos, aproximadamente.

Isso é importante para tornar o Ethereum à prova de adulteração, uma das qualidades que tornam os NFTs possíveis. Quanto maior a quantidade de blocos, mais segura é a cadeia. Se o seu NFT foi criado no bloco #600 e um hacker tentasse roubar seu NFT modificando os dados deles, a impressão digital de todos os blocos subsequentes mudaria. Isso significa que qualquer pessoa executando um software Ethereum seria imediatamente capaz de detectar e impedir que isso acontecesse.

No entanto, isto significa que o poder de computação tem de ser utilizado constantemente. Também significa que um bloco que contém 0 transações NFT continuará a ter aproximadamente a mesma pegada de carbono, porque ainda consumiria poder de computação para ser criado. Outras transações não-NFT irão preencher os blocos.

Atualmente, os blockchains consomem muita energia

Então sim, há uma pegada de carbono associada à criação de blocos através da mineração — e isso é um problema para cadeias como o Bitcoin também — mas não é diretamente culpa dos NFTs.

Grande parte da mineração usa fontes de energia renováveis ou energia não explorada em locais remotos. E há o argumento de que as indústrias que os NFTs e as criptomoedas estão revolucionando também têm enormes pegadas de carbono. Mas só porque as indústrias existentes são ruins, não significa que não devamos nos esforçar para ser melhor.

E somos. Ethereum está evoluindo para tornar o uso do Ethereum (e, por virtude, dos NFTs) mais eficiente em termos energéticos. E esse sempre foi o plano.

Nós não estamos aqui para defender a pegada ambiental da mineração, e sim para explicar como as coisas estão mudando para melhor.

Um futuro mais verde...

Desde o início de Ethereum, o consumo de energia da mineração tem sido uma área de grande interesse para desenvolvedores e investigadores. E a visão sempre foi a de substituí-la o mais rapidamente possível. Mais informações sobre a visão do Ethereum

Esta visão está se tornando uma realidade agora.

Um Ethereum mais ecológico

Ethereum está passando por uma série de melhorias que substituirão a mineração por staking. Isso removerá o poder de computação como um mecanismo de segurança e reduzirá a pegada de carbono do Ethereum em cerca de 99,95%1. Neste cenário, os stakers comprometem fundos, em vez de poder de computação para proteger a rede.

O custo energético do Ethereum se tornará o custo de executar um computador doméstico multiplicado pelo número de nós na rede. Se existem 10.000 nós na rede e o custo de executar um computador doméstico é de cerca de 525 kWh por ano, isso equivale a 5.250,000 kWh1 por ano para toda a rede.

Podemos usar isto para comparar o futuro do Ethereum com um serviço global como o Visa. 100.000 transações de Visa usam 149 kWh de energia2. No Ethereum sob a modalidade de prova de participação, esse mesmo número de transações consumiria 17,4 kWh de energia ou cerca de 11% da energia total3. Isso sem considerar as muitas otimizações sendo trabalhadas em paralelo à camada de consenso e as shard chains, como os rollups. Poderia corresponder a tão somente 0,16666667 kWh de energia para 100.000 transações.

Isto melhora a eficiência energética, preservando simultaneamente a descentralização e a segurança de Ethereum. Muitos outros blockchains podem usar alguma forma de participação, mas eles são protegidos por alguns stakers selecionados, não pelos milhares que o Ethereum terá. Quanto mais descentralização, mais seguro é o sistema.

Mais estimativas de energia

Nós fornecemos a comparação básica com a Visa para que você tivesse uma ideia básica do consumo de energia da prova de participação do Ethereum em relação a um nome familiar. No entanto, na prática, não é muito correto comparar com base no número de transações. A energia produzida no Ethereum se baseia no tempo. Se Ethereum fizesse mais ou menos transações de um minuto entre elas, a produção de energia permaneceria a mesma.

Também é importante lembrar que o Ethereum faz mais do que apenas transações financeiras. É uma plataforma para aplicativos, então uma comparação mais justa pode incluir muitas empresas/indústrias, incluindo Visa, AWS e muito mais!

Prazos

O processo já começou. A Beacon Chain, a primeira melhoria, lançada em dezembro de 2020. Isto proporciona as bases para o staking, permitindo aos stakers aderirem ao sistema. O próximo passo relevante para a eficiência energética é a integração da cadeia atual, a protegida por mineradores, à Beacon Chain, na qual a mineração não é necessária. Os prazos não podem ser exatos neste estágio, mas se estima que isso acontecerá em 2022. Este processo é conhecido como "integração" ("merge", anteriormente referido como docking). Mais sobre a integração.

Mais sobre as melhorias do Ethereum

Criar com NFTs

A maioria dos NFTs é criada usando um padrão consistente conhecido como ERC-721. No entanto, há outros padrões que você pode querer analisar. O padrão ERC-1155 permite tokens semifungíveis que são particularmente úteis no mundo dos jogos. E, mais recentemente, EIP-2309 foi proposto para tornar a cunhagem de NFT muito mais eficiente. Esse padrão deixa você cunhar o quanto quiser em uma transação!

Leitura adicional

Notas de rodapé e fontes

Isto explica como chegamos às nossas estimativas energéticas acima. Estas estimativas aplicam-se à rede como um todo e não são apenas reservadas para o processo de criação, compra ou venda de NFT.

1. 99,95% de redução de energia na mineração

A redução de 99,95% do consumo de energia de um sistema protegido pela mineração para um sistema protegido pelo staking é calculada usando as seguintes fontes de dados:

  • 44,49 TWh de energia elétrica anual é consumida pela mineração Ethereum - Digiconomist

  • O computador desktop médio, tudo o que é necessário para executar a prova de participação, usa 0,6 kWh de energia por hora – Gráfico de energia do Vale do Silício (As estimativas são um pouco maiores em 0,15 kWh)

No momento da redação deste artigo, há 140.592 validadores de 16.405 endereços únicos. Destes, acredita-se que 87.897 fazer staking de suas casas.

Presume-se que a pessoa média que faz staking de casa usa um computador que consome 100 watts para executar uma média de 5,4 clientes validadores.

Os 87.897 validadores que fazem staking de casa equivalem a 16.300 utilizadores que consomem cerca de 1,64 megawatt de energia.

O resto dos validadores é executado por stakers de custódia, como exchanges e serviços de staking. Podemos supor que eles usam 100 watts por 5,5 validadores. Trata-se de uma superestimação geral, por precaução.

No total, o Ethereum sob o conceito de prova de participação consome portanto algo na ordem de 2,62 megawatt, que é aproximadamente o mesmo que uma pequena cidade americana consome.

Isso é uma redução de pelo menos 99,95% no uso total de energia tendo como base a estimativa da Digiconomista de 44,4 DWh por ano que os mineradores do Ethereum consomem atualmente.

2. Consumo de energia da Visa

O custo de 100.000 transações da Visa é 149 kwH - Consumo médio de energia da rede Bitcoin por transação em comparação com a rede VISA a partir de 2020, Statista

Até setembro de 2020, eles processaram 1.40.839.000.000 transações – Relatório financeiro da Visa, 4º trimestre de 2020

3. Uso de energia para 100.000 transações em uma rede de prova de particpação fragmentada

Estima-se que a melhoria de dimensionamento permitirá que a rede processe entre 25.000 e 100.000 transações por segundo, com 100.000 como o máximo teórico agora.

Vitalik Buterin sobre transações potenciais por segundo com a fragmentação

No mínimo, a fragmentação permitirá 64 vezes mais transações, que hoje está em torno de 15 transações. Essa é a quantidade de cadeias de fragmentos (dados extras e capacidade) sendo introduzida. Mais sobre cadeias de fragmentação

Isso significa que podemos estimar quanto tempo levará para processar 100.000 transações, para que possamos comparar com o exemplo da Visa acima.

  • 15 * 64 = 960 transações por segundo.
  • 100.000 / 960 = 104.2 segundos para processar 100.000 transações.

Em 104,2 segundos, a rede Ethereum usará a seguinte quantidade de energia:

uso diário de 1,44 kWh * 10.000 nós de rede = 14.400 kWh por dia.

Há 86.400 segundos em um dia, então 14.400/86.400 = 0,16666667kWh por segundo.

Se multiplicamos isso pela quantidade de tempo que leva para processar 100.000 transações: 0,1666666667 * 104,2 = 17,36666701 kWh.

Isso é 11,6554809866% da energia consumida pela mesma quantidade de transações na Visa.

E lembre-se, isso é baseado na quantidade mínima de transações que o Ethereum será capaz de processar por segundo. Se o Ethereum atingir o seu potencial de 100.000 transações por segundo, 100.000 transações consumirá 0,1666666667kWh.

Em outras palavras, se a Visa processou 140.839.000.000 transações a um custo de 149 kWh por 100.000 transações, isso equivaleu a 209.850.110 kWh de energia consumida no ano.

Em um único ano, Ethereum consome 5.256.000 kWh. Com o potencial de 788.940.000.000 a 3.153.6000.000 transações processadas naquele momento.

🌲
Se você acha que essas estatísticas estão incorretas ou podem ser mais precisas, abra um problema ou PR. Estas são estimativas da equipe ethereum.org feitas usando informações públicas e o atual roadmap do Ethereum. Isto não representa uma promessa oficial da Fundação Ethereum.

Is this page helpful?